Fazer turismo no Rio de Janeiro é maravilhoso, até mesmo para quem já mora na cidade. Mas mais incrível que isso é saber a história por trás de tantos lugares conhecidos, o que torna o passeio muito mais interessante e uma verdadeira viagem no tempo.

Conhecido internacionalmente como “free walking tour” e presente em diversas cidades do mundo, o conceito do passeio é ser um tour guiado a pé, sem custo e que no final você pode oferecer uma gorjeta pelo serviço. A modalidade chegou na cidade maravilhosa para ficar: tem tour histórico pelo centro do Rio, tour pela região portuária, tour pela zona sul, algumas opções temáticas, dentre outros.

O passeio chamado de “Rio Antigo” tem a proposta de passar por pontos conhecidos do centro da cidade, contando um pouco mais sobre o início do Rio de Janeiro.

A história da cidade começou dois anos depois da história do Brasil. Em janeiro 1502 chegou a primeira expedição portuguesa no Rio de Janeiro, pela Baía de Guanabara. Os navegadores portugueses, achando estar em uma grande foz de um rio, batizaram a cidade com o nome de Rio de Janeiro.

A fundação da cidade foi feita décadas mais tarde, em 1565, por Estácio de Sá, rebatizando de “São Sebastião do Rio de Janeiro” em homenagem a D. Sebastião, rei de Portugal. De 1763 a 1960, o Rio foi capital do Brasil. A partir da década de 60, a capital foi transferida para Brasília.

A INFLUÊNCIA FRANCESA NO CENTRO DA CIDADE

No final da década de 20 e início da década de 30, o Rio passou por uma grande mudança urbana, principalmente a região do centro e a cidade foi dividida em zonas (norte, sul e centro).

Nessa reformulação passou a ser proibido viver no centro. Naquela época 70% da população vivia nessa região e teve que sair, ocupando outras áreas.  O centro passou a ser dedicado a duas funções: trabalho e cultura.

A repaginação contou com forte influência francesa, um modelo que estava em alta e era inspiração para o mundo. Naquele período, ser moderno e ser cultural era “ser Paris”.  O objetivo era trazer um modelo parisiense para a região e além de empresas, o lugar passou a ser ocupado por bares, cinemas e teatros. Essas características podem ser observadas até hoje nas construções mais antigas da região central.

Com o surgimento dos shoppings na década de 70, muitos cinemas e teatros fecharam. Hoje o único cinema que ainda existe é o Odeon, onde acontecem os principais festivais e mostras de cinema. Ele está localizado na Praça Floriano Peixoto, mais conhecida como Cinelândia.

RIO BRANCO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Atualmente conhecida como Rio Branco, era chamada de Avenida Central porque tinha a função de dividir a cidade e trazer ventilação para dentro da cidade por unir o mar de uma ponta a outra. De um lado repartições públicas e empresas. De outro, a parte cultural da cidade na Cinelândia. Na época desenvolveu um papel essencial porque não havia saneamento.

Ela sofreu uma grande reformulação nos últimos três anos e hoje parte dela é fechada para o trânsito, passando apenas pedestres e o VLT.

THEATRO MUNICIPAL

Com 108 anos de existência, o Theatro Municipal passou por uma grande reforma na década de 30 feito por Pereira Passos Júnior, filho de Pereira Passos. O objetivo era se enquadrar nessa nova visão de cidade que queriam ter, uma cidade maior e mais imponente. E se o modelo era ser Paris, isso se refletiu no Teatro.

Sua área exterior é composta por ouro maciço e folheada a ouro. Em seus salões eram feitos os bailes da República. Além dessa luxuosa imagem de fora, cada salão é inspirado em uma cultura diferente (Egito, Grécia, dentre outros).

O teatro oferece tour guiado e é um ótimo passeio para quem gosta de arte. A visita é realizada de terça à sexta às 11h30, 12h, 14h (inglês), 14h30, 15h e 16h, e aos sábados e feriados às 11h, 12h e 13h. A venda é feita na bilheteria do teatro e o ingresso custa R$20,00 (meia entrada para estudantes e idosos).

MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES

Na esquina ao lado do Theatro Municipal está o Museu Nacional de Belas Artes, a única construção do Rio com teto preparado para receber neve. Nele, a principal galeria de arte é a brasileira do século XIX. Algumas obras marcantes estão expostas nele como por exemplo o quadro da Guerra do Paraguai. Além disso, há também outras exposições itinerantes e um salão de esculturas. A entrada custa 8 reais (estudantes pagam meia). O museu funciona de terça à sexta-feira das 10h às 18h e sábados, domingos e feriados das 13h às 18h.

Fonte: mnba.gov.br

BIBLIOTECA NACIONAL

Em restauração há anos, a Biblioteca Nacional é a mais importante fora da Europa. Ela é considerada pela UNESCO como uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo e é também a maior da América Latina.

Fundada oficialmente em outubro de 1810, é a mais antiga instituição cultural brasileira. A biblioteca oferece visitas guiadas de segunda à sexta de 10h às 17h e sábados de 10h às 14h.

O INÍCIO DO POVOAMENTO DA CIDADE

Os portugueses chegaram ao Brasil em 1500 e no Rio em 1502. Por muito tempo eles vinham uma ou duas vezes por ano e levavam especiarias e pau brasil.

A grande missão de povoamento vem em 1604, onde os portugueses se instalaram na Bahia, São Paulo e Rio de janeiro.  A cultura da cana se fortificou e o Rio cresce muito porque vira um forte porto de escoamento da cana para o mundo.

CONVENTO DE SANTO ANTÔNIO

A história do Convento de Santo Antônio começou em 1592, quando chegaram os primeiros frades franciscanos. A primeira missa foi rezada em fevereiro de 1615 e sua obra foi terminada em 1620.

No entorno do Morro de Santo Antônio, onde fica o convento, havia a Lagoa de Santo Antônio. Essa lagoa, que ocupava o espaço onde hoje é o Largo da Carioca, acabou sendo drenada e aterrada.

O complexo inteiro é formado pelo Convento, pela Igreja de Santo Antônio e pela Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência.

Este slideshow necessita de JavaScript.

REESTRUTURAÇÃO DA CIDADE E O ATERRO

Em 1600 o povoamento cresce e com a necessidade de expandir a cidade, os portugueses começaram a desmontar os pequenos morros que haviam no centro da cidade. Um deles era o Morro do Castelo, nome que ficou até hoje na região. Também havia o Morro de Santa Luzia e o Morro de Santo Antônio. Esse último foi cortado pela metade e planado para a construção do Convento de Santo Antônio. Com o objetivo de ganhar espaço aterrando, toda essa terra vinda da planificação do terreno foi para a parte que hoje é o Aterro.

Avenida Beiramar (Botafogo) em novembro de 1906. Foto de Augusto Malta.

Na década de 1960 a famosa arquiteta paisagista e urbanista Lota de Macedo trouxe um projeto novo para o Aterro. A convite de Carlos Lacerda, foi uma das responsáveis pelo projeto Parque do Flamengo. Em 2015 o aterro foi decretado pela UNESCO como patrimônio arquitetônico e paisagístico da humanidade.

PALÁCIO TIRADENTES

Este slideshow necessita de JavaScript.

Antes de ser um Palácio, o local abrigava a Câmara Imperial e uma cadeia. Foi lá onde Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, ficou preso durante três anos antes de ser enforcado em 1792. Nessa mesma Câmara Imperial houve momentos marcantes para a história, como a aprovação da Lei Áurea em 1888.

Em 1922, tudo foi demolido para dar lugar ao Palácio Tiradentes. Inaugurado em 1926, o lugar passou a abrigar a Câmara Federal, onde presidentes como Juscelino Kubitscheck tomaram posse e discursaram para o povo.

De 1937 a 1945 o lugar passou a ser Ministério da Justiça e Departamento de Imprensa e Propaganda. Depois, em 1960, se tornou Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara. Atualmente funciona como Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).

PRAÇA XV E A CHEGADA DA CORTE PORTUGUESA

Em 1700 aconteceu o período de exploração de ouro, o Brasil se transformou na principal colônia de Portugal e um dos principais portos das Américas.

Em 1807, Napoleão pressionou Dom João para escolher se estava do lado da França ou da Inglaterra. Ele pede auxílio aos ingleses para fazer a transferência da corte portuguesa para o Brasil, com o objetivo de preservar a coroa e os portos abertos para a Inglaterra.

A marinha inglesa emprestou barcos e toda a estrutura para a vinda deles. O primeiro ponto de parada da Família Real no Brasil foi a cidade de Salvador, onde permaneceram por quase um mês. Eles chegaram ao Rio de Janeiro em março de 1808 pela Praça XV, conhecida na época como Largo do Paço. Estima-se que vieram junto com a família real cerca de 15 mil pessoas. Na época o Rio tinha cerca de 60 mil habitantes, onde metade desse número eram escravos.

Praça XV (Fonte: Instituto Moreira Salles)

PAÇO IMPERIAL

Fonte: Instituto Moreira Salles

O Paço Imperial, na época Palácio dos Vice-Reis, foi a primeira casa oficial da Família Real onde eles permaneceram cerca de 3 anos. Depois se mudaram para o Palácio da Quinta da Boa Vista, que hoje é o nosso Museu Nacional.

CONVENTO DO CARMO

A construção branca em frente ao Paço Imperial era o Convento do Carmo. Quando a família real chegou ao Rio, foi construída uma passarela que ligava o Convento ao Paço Imperial. A Rainha Maria I de Portugal, a “louca”, passou a viver e ser cuidada no Convento. Lá, ela passou seus últimos anos de vida.

IGREJA NOSSA SENHORA DO CARMO DA ANTIGA SÉ

A Igreja foi elevada ao título de Capela Real em 1808. Após a morte de Dona Maria I, em 1816, D. João VI foi aclamado como rei nessa igreja. Depois, na independência do Brasil em 1822 D. Pedro I foi coroado Imperador nela também. Mais tarde, ela foi palco da coroação de D. Pedro II, além de todos os casamentos reais.

TRAVESSA DO COMÉRCIO E O ARCO DO TELES

O Rio passou a ser a capital da coroa. Surgiu a necessidade de um mercado para abastecer todo esse povo. Foi criada a Travessa do Comércio e nela eram comercializados os produtos para abastecer o palácio e as principais casas do entorno, onde moravam as pessoas mais ricas.

O Arco do Teles foi construído em meados do século XVIII para ligar a Praça XV (antiga Praça do Carmo) à Rua do Ouvidor (antiga Rua da Cruz). O nome deve sua origem à família Teles de Medeiros, proprietários do prédio no local.

Depois que a Travessa do Comércio perdeu o título de mercado, ela começou a ter outra função. Se tornou uma zona de bares e boemia que permanece até os dias atuais.

Outra curiosidade é que nesse local também está a casa onde Carmen Miranda passou sua adolescência.

Antiga residência da Carmen Miranda.

CONFEITARIA COLOMBO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Inaugurada em 1894, cinco anos depois da proclamação da república, a Confeitaria Colombo serviu como palco de encontro da classe política brasileira. Nela eram realizados diversas reuniões e jantares presidenciais.

PASSEIO PÚBLICO

O Passeio Público, inaugurado em 1808, foi o primeiro parque para entretenimento público das Américas. Dom João quando chegou ao Rio, quis deixar a cidade com uma cara mais europeia e esse parque foi uma das criações. Na entrada do parque está a imagem de Dona Maria.

Aproveite para combinar o passeio com a região portuária. Os tours fazem o trajeto Pedra do Sal, Jardim suspenso do Valongo, o Cais do Valongo e o espaço Meu Porto Maravilha.